6 Curas Insanas Sem Sentido da Era Medieval

By Camila Oliveira - 10.5.18

Imagem relacionada

Quem vai ao médico atualmente e vê a saúde tão precária, não faz ideia de como era no início. De maneira alguma isso é uma justificativa, mas sim constatação de que após séculos de evolução a medicina progrediu muito, porém para uma minoria ínfima. 

Imagem relacionadaPlanos de saúde caros e escorregadios, corrupção e negligência são a grande causa do desgaste da medicina. E certamente, se olhassem para essa questão tão importante com mais cuidado, um grande progresso social e científico forjaria cidadãos mais capazes e saudáveis. 


Voltando ao começo, podemos perceber que a ciência e a saúde sempre andaram de mãos dadas, nascendo da curiosidade e coragem de homens e mulheres que enfrentaram leis e religiões para desvendar o desconhecido e temido corpo humano afim de salvar vidas. 

Mas não dá para fazer um omelete sem quebrar alguns ovos, assim muitas superstições e experimentos foram introduzidos como cura sem um motivo aparente que não fosse o achômetro. Confira abaixo alguns deles: 


1 - Uma das substâncias usadas como anestesia na época era o Dwale, uma mistura de suco de cicuta, suco de alho, ópio, vinagre e vinho, que era dado ao paciente antes de um procedimento cirúrgico, mas poderia matá-lo se não fosse ministrado na dose certa . 

Resultado de imagem para medicina medieval2 - Uma família indiana dessa era, os Bathini Gauds, acreditavam que ao engolir um peixe vivo era possível melhorar da asma, tratando assim muitos que os procuravam.

3 - Os egípcios antigos tentavam aliviar as dores de dente através de um rato que era colocado vivo na boca para roer as cáries. Além de pedaços de ratos mortos serem introduzidos em pastas para dores no corpo. 

4 - Caracóis de jardim pegos pela manhã eram usados na fabricação de xarope para crianças e adultos. Eles acreditavam que o visgo era eficaz contra a tosse e coriza. 

Resultado de imagem para medicina medieval5 - Acreditava-se que a epilepsia era provocada pelo vento, pelo frio e pelo sol. Mas a Idade Média disseminava a crença que era um estado de possessão, desse modo, pessoas que sofriam ataques era tratadas com orações e água benta. 

6 - Outro tratamento para os dentes consistia em queimar uma mistura feita de gordura de cabra, cebola e outros condimentos em torno do paciente. Havia também a cura da cárie através da captura de um sapo à meia-noite para cuspir em sua boca pronunciando palavras curativas. 


Dica de Cinema

Para se ter uma noção real do assunto, ficam duas ótimas indicações. Trata-se do filme "O Físico/Médico" e a série "The Resident". O primeiro contando sobre o berço da medicina moderna ao retratar a história de um garoto que vivia na Idade das Trevas e perdeu a mãe de apendicite porque ninguém sabia tratar a "doença da barriga". À partir disso, ele cresce e dedica sua vida em descobrir um mundo além das maldições e repressões da igreja e sociedade da era medieval. 



Já "The Resident" é o oposto moderno e caótico que expõe o elitismo na saúde e as complicadas camadas que envolvem o dia a dia num hospital. Mais sobre a série aqui

  • Share:

0 comentários

comentário(s) pelo facebook: