É Possível Ainda Hoje Achar Casamento na Balada?

By Camila Oliveira - 24.10.19


Desde o início dos tempos, pessoas sonham com uma alma gêmea. Começando nos primórdios, quando se juntavam como forma de sobrevivência e perpetuação da espécie. Seguindo para os casamentos arranjados, sem conhecimento prévio do parceiro e finalmente evoluindo para o contato através de eventos sociais

Dessa maneira, por meio de chás, encontros e jantares, pais e mães uniam seus herdeiros, buscando uma futuro em comum. Anos mais tarde, os próprios interessados iam atrás de parceiros que sentiam ser mais indicados para viverem uma vida juntos. Contudo, sempre houve quem encontrasse sua alma gêmea num simples acidente, entregando ao acaso o destino de forma natural. 


Outros, se casaram com amigos de infância, pessoas com quem tiveram reencontros, parentes de indivíduos que detestavam e por aí vai, traçando histórias que poderiam ser roteiros de filme. Mas conseguir um matrimônio não é algo tão simples, visto que deveria ser uma escolha na vida para ser feliz. E cada um sabe ou não o que é melhor e mais relevante para si quando tomam uma decisão dessas. 

Já houve um tempo em que as pessoas se sentiam pressionadas em conseguir um relacionamento sólido pelo medo de serem julgadas pela sociedade. Logo, as mulheres ficariam encalhaspra titia e os homens teriam sua masculinidade questionada se não conseguissem um namoro sério, seguido de noivado e casamento. Esse comportamento gerou muitos relacionamentos e atitudes errôneas dentro de uma família, pois também tinham o hábito de falar que em briga de marido e mulher não se mete a colher e que ninguém deveria saber o que acontece entre quatro paredes na vida de um casal. Claro, um relacionamento não pode ser visto como festa da firma, porém deve ter ajuda quando uma das partes achar que precisa. 


Enfim, deixando o decorrer de um casamento para os que o vivem, nessa época de contemporaneidade, sair com os amigos ou sozinho, geralmente à noite, se tornou a forma mais comum de vislumbrar um relacionamento. Até os anos noventa funcionava, no entanto, com o passar dos tempo e o avanço tecnológico, aplicativos de relacionamento e encontros às escuras marcados pela internet são a nova febre mundial. 

Assim, protagonizando todo tipo de histórias, dos mais tímidos aos mais saidinhos têm sua chance de serem o que quiserem na rede, até eles mesmo. Olha, que bizarro! Portanto, sair se tornou um ato secundário de diversão ou para os que já estão com o relacionamento engatilhado. Porque quando conhecem alguém num evento noturno, dificilmente hoje em dia será algo que rompa o amanhecer. 

Quem sabe, em cidades menores, ainda haja alguma esperança de amor em pleno rolê, porque nas grandes metrópoles as baladas estão cada vez mais na zoeira. Outro problema das baladas da atualidade fica por conta da idade da galerinha cada vez mais jovem que frequenta, farreando tanto que deixam muito adulto de queixo caído. Talvez esse seja o problema, crianças tomando atitudes grandes demais para elas mesmas.

 

Então, por todos esses fatores e muitos outros fica claro que a balada está cada dia mais distante do objetivo de alcançar um relacionamento maduro. Para experiências, diversão e conhecer pessoas pode ser um ótimo ambiente, mas para encontrar um parceiro atualmente, os espaços mais neutros e de relações menos agressivas serve muito mais para ver o outro como ser humano em suas escolhas e convivência. 

E se nada disso for conveniente, ser solteiro também é uma opção que pode render experiências e uma vida tão saudável e interessante quanto um casado. O que não pode é ouvir pitaco e achar que está todo errado por conta disso! 

  • Share:

4 comentários

comentário(s) pelo facebook:

  1. Sou divorciado, moro em uma cidade do interior. Sou avesso à baladas, mas acabei indo, por insistência de um amigo, em uma numa cidade vizinha. Lá conheci uma moça, também divorciada, também avessa à baladas e que só foi por insistência das amigas pra comemorar alguma coisa. Resultado, estamos namorando há 5 meses e pretendemos nos casar. Depois do meu divórcio, fiquei descrente do amor, sofri muito sem merecer (mas essa é outra história) porém voltei a acreditar que posso ser feliz, amar alguém e ser amado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, anônimo! Nossa que legal e corajoso o seu depoimento! Parabéns pela atitude e decisão de recomeço. Às vezes, as coisas são assim no inesperado e surpreendente acaso, mas tinha que ser. Também prova que nas pequenas cidades ainda é possível algo mais intimista na balada, visando um começo ou como no seu caso, um recomeço de história. Talvez pelos dois não serem baladeiros, inseridos nesse esquema, puderam ter um olhar mais apurado com relação ao ambiente de diversão. Mas que bom que isso está acontecendo na vida de vocês e obrigada por compartilhar aqui conosco! Enfim, que tudo continue bem e decorra pra um feliz e abençoado casamento! Valeu mesmo! Abs.

      Excluir
  2. Bacana o teu blog, gostei. Desejo boa sorte e muita visitas. Tenho alguns, se puder dê uma passada, no Diversão $ Artes tem uns contos picantes e legais.
    https://diversaoearts.blogspot.com/search/label/Contos%20%C3%ADntimos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal pra quem gosta! Valeu por visitar e pelo incentivo! Volte quando quiser! Abs.

      Excluir