Nessas Eleições o Meu Candidato... E Agora, Brasil?

By Camila Oliveira - 31.10.18


Desde o dia 28/10 o Brasil encontra-se na seguinte situação ideológica, existem os:

  • Pacifistas que torcem independentemente da escolha feita; Pessoas que mesmo sem seu candidato ter sido eleito, pensam no bem do país e torcem pra que a nação caminhe junta em união e alcance o principal motivo de tudo, que é o fim da crise, a resolução dos problemas e o bem-estar geral da população.
  • Radicais que desejam que quebrem a cara; Indivíduos que não votaram no candidato eleito e desejam um pandemônio só pra provarem seu ponto de vista. A frustração, mediante as divergências de ambos os candidatos, expostas como nunca se viu numa eleição brasileira, produziram essas pessoas que só o tempo inflará ou aplacará. 
    Resultado de imagem para e agora brasil
  • Radicais que acham que estão dentro de um filme distópico; Seres alienados que estão achando na transição do governo uma forma de exteriorizar tudo o que pensam e está errado. Do mesmo modo, como alguns acham que se tornarão salvadores do amanhã, livrando o mundo de toda a imoralidade e hipocrisia. Pra esses, resta a conscientização de que leis, grupos e organizações existem intactas e estarão atentas pra enxergar e punir quem se intitula um passo acima, devido ao novo governo.
  • Receosos que estão aguardando os acontecimentos; Pessoas que votaram ou não no candidato eleito, seja por motivos de esperança no novo, recado ou protesto. Esse grupo, mais prudente e cauteloso, aguardará a ocorrência dos fatos pra fazer julgamentos, não tem ideologia formada e só pensa na melhora da sociedade e de seu meio social. 

Mas pra todos eles, fica a pergunta se realmente sabem pelo que estão lutando? Aos mais radicais pergunto ainda, pra que lutar tanto se o princípio básico que é a união e a resolução dos problemas foi substituído pela imposição de egos e desejos subentendidos. 

Resultado de imagem para e agora brasilTodos habitam uma mesma nação grandiosa que se formou de diferentes povos, ganhando o apelido de vira-lata. Mas do vira-lata originou-se uma cultura única e forte baseada na pluralidade, e sinto muito se isso não agrada a todo mundo, porém é fato que tanto uns quanto outros estão aqui e não há separação nem saída que possa ignorar o fato que uns precisam de outros pra inúmeros e variados fatos que acontecem nessa cronologia louca chamada vida. Ignorar, como em qualquer outra ocorrência, só fará piorar a situação. 

Lembrando que, não há plano perfeito, nem salvação completa se não haver satisfação própria e esforço. Então depositar todas as fichas num governo nunca será a solução de todos os problemas. Afinal, o governo não está com você em todos os momentos, em cada segundo da sua vida, nas pequenas e grandes decisões que seu olhar capta e julga diariamente. 

Imagem relacionadaIndependentemente do que falem, apontem ou elogiem, tenham em mente que quem deve vencer e sair melhor de tudo isso é o povo brasileiro. Não o governo e os governantes que foram tão defendidos e votados até como heróis com a função clara, mas muitas vezes esquecida, de que estão lá pra servir, representar e obviamente melhorar a qualidade de vida do brasileiro. A tão sofrida e breve existência da qual nada levamos, a não ser as experiências obtidas.

Sendo assim, que venham pra todos nós dias de luta, dias de glória! 

  • Share:

0 comentários

comentário(s) pelo facebook: